Home Acima Cadastramento Ache seu Colega Comentários Downloads As Comissões 

Função Comissionada II
 

 

Informativo sobre nossa Função Comissionada

 

No intuito de dar uma solução definitiva ao processo de atualização de nossos salários, estamos  reiterando junto ao MPOG o requerimento 04500007148/2010-75, realizado em 07/06/2010, o qual expõe considerações e pede cumprimento da lei 8.878/94.

Caso queira acompanhar o andamento do processo clique aqui.

Comissão dos Anistiados do Bncc

 

 

Brasília-DF, 13 de julho de 2010                                                        Primeira Reiteração     

 

Ilustríssimo Senhor:
Dr. DUVANIER PAIVA FERREIRA
MD Secretário de Recursos Humanos, do Minist. do Planejamento, Orçamento e Gestão
Esplanada dos Ministérios, Bloco “C” 7º Andar – CEP 70.046-900
Brasília-DF.

 

                    Senhor Secretário;

 

 

1.                             ASSUNTO – pedido de atualização das parcelas remuneratórias, conforme preceitua a Lei nº 11.907, de 02/02/2009, no Capítulo V – “DA REMUNERAÇÃO DOS BENEFICIADOS PELA LEI Nº 8.878/94, em especial, o ADICIONAL DE FUNÇÃO COMISSIONADA e/ou antiga Gratificação de Função Comissionada.

 

 

2.                 JOÃO MENDES DA SILVA, devidamente qualificado no REQUERIMENTO protocolado nesse Ministério, sob o nº 04500007148/2010-75, em 07/06/2010, expõe considerações, renova pleito e pede cumprimento da lei.

 

3.                 Considerando o silêncio de V. Sra. quanto ao pedido no Requerimento referenciado, já decorridos mais de 30 (trinta) dias sem resposta,e, conforme o Art. 5º, Incisos XXXIII e XXXIV, Alínea “a” da CF, imploro o cumprimento da Lei nº 11.907, de 02/02/2009, Art. 310,  e Decreto nº 6.657, de 20/11/2008.

 

“Art. 310 – Caberá ao empregado que retornar ao serviço na administração pública federal, autárquica e fundacional apresentar comprovação de todas as parcelas remuneratórias a que fazia jus no prazo decadencial de 15 (quinze) dias do retorno, as quais serão atualizadas pelos índices de correção adotados para a atualização dos benefícios do regime geral da previdência social, desde aquela data até a do mês anterior ao do retorno” (grifamos).

 

4.                 Ao anistiado que retornou ao serviço foi determinada a obrigação de comprovar  todas as parcelas remuneratórias a que fazia jus.

Atendida a exigência legal, resta a Administração Pública Gestora, dar cumprimento a esse normativo. Quando a ação do administrador público fica adstrita aos termos da lei e por se tratar de ato vinculado, resta-lhe a discricionariedade no cumprimento do prazo para implementação, não podendo, contudo, retardar indefinidamente as providências, pois a lei é auto aplicável.

                   

5.                 Amparado na CF, Art. 5º, Inciso LXXVIII, § 1º, solicito urgenciar as providências requeridas, pois, já são decorridos mais de 08 (oito meses) da minha reivindicação inicial, junto ao Órgão executor – MAPA, sem sequer, ter recebido nenhuma resposta sobre a demanda administrativa.

 

“Art. 5º - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.

 

§ 1º As normas definidoras de direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata”.

 

                   

6.                 O RR 794068/2001.8 - junto ao Tribunal Superior do Trabalho traz importantes e esclarecedores “julgados” sobre esta questão das parcelas remuneratórias, quando o ministro (relator) Vieira de Mello Filho, deixou cristalina a correta interpretação da Lei nº 8.878/94, sobre a existência desse direito, afirmando que:

“Registre-se não existir na presente demanda pedido de reconhecimento do tempo de afastamento do trabalhador para implemento de vantagens, mas tão somente o pedido do restabelecimento daquelas benesses que já compunham as verbas salariais do empregado quando da demissão”.

 

“A Lei nº 8.878/94 expressou apenas que não haveria o pagamento dos salários, do período não trabalhado pelo empregado, ao não permitir ‘a remuneração de qualquer espécie em caráter retroativo’, no entanto, não determinou que se desconsiderasse toda a vida funcional do mesmo, com as vantagens pessoais por ele auferidas, do período anterior à readmissão, razão pela qual os direitos adquiridos pelo empregado, antes de seu afastamento, não podem ser afetados”. 

 

“Na presente hipótese não existe desacerto com a determinação legal, ao se deferir o pagamento após a readmissão e, a partir dali, as vantagens pessoais preexistentes à data da demissão do empregado”, ‘observou o relator, ao afastar qualquer violação do dispositivo da Lei de Anistia (artigo 6º) que veda a remuneração de qualquer espécie em caráter retroativo’.

 

  7.               Lembramos ainda que o Parecer CGU/AGU Nº 01/2007 – RVJ – Processo nº 00400.000843/2007-88 emitido em 27 de novembro de 2007, pelo Ronaldo Jorge Araújo Vieira Júnior – Consultor – Geral da União, aprovado pelo Senhor Advogado da União – José Antônio Dias Toffoli e referendado pelo Senhor Presidente da República – Luiz Inácio Lula da Silva, traz no item nº 521 inteligente acomodação quanto a interpretação sobre esta questão, ao afirmar que:

“A Lei de Anistia determinava, por força de seu art. 8º, a não incidência dessa regra, pois o retorno motivado pelo deferimento dos requerimentos de anistia não poderia ser considerado nova admissão, mas sim, a volta ao status quo ante a relação funcional que tinha sido ilegalmente interrompida”.

 

8.                 Não visualizo motivos para o atraso na implementação do direito, visto que, não se discute o mérito para determinar ou não, o cabimento de direito da parcela remuneratória do Adicional de Função Comissionada, mas, tão somente que a Lei nº 11.907, de 02/02/2009, seja cumprida e aplicada pela Secretaria de Recursos Humanos, na plenitude de seu alcance.

 

9.                 Volto a pedir, em atendimento ao princípio da transparência que rege os atos da Administração Pública, comunicar-me a decisão deferida; se desfavorável, citar os motivos do indeferimento. 

 

   

João Mendes da Silva
 
Siape nº 1670956

Fones: (61) 3319-0222 e 9972-9250
E-mail: mendesjms@ig.com.br

 

Cópia para
Dr. ALBERTO BARBOSA
MD Ouvidor Geral do MPOG
Brasília – Distrito Federal.

 

Home ] Notícias ]

Envie mensagem a webmaster@bncc.com.br com perguntas ou comentários sobre este site da Web.
Copyright © 2006 Banco Nacional de Cooperativo S/A
Última modificação: 22 julho, 2013 17:12